Utilização de suplementos alimentares para aumentar o rendimento desportivo: sim ou não?

Os suplementos alimentares constituem fontes de nutrientes ou outras substâncias que exercem um efeito nutricional ou fisiológico1. No caso concreto dos suplementos para melhorar o desempenho atlético, estes apresentam-se de diversas formas, incluindo comprimidos, cápsulas, líquidos, géis, pós e barras e, por norma, contêm vários ingredientes em combinações e quantidades variadas2.

A prática de exercício físico, dependendo do tipo, duração, frequência e intensidade, por si só aumentam as necessidades energéticas e nutricionais de quem treina. Assim, para que um desportista tenha o melhor desempenho físico, é essencial fornecer uma dieta nutricionalmente adequada e uma hidratação suficiente, necessitando de quantidades adequadas de energia, hidratos de carbono, proteína, gordura e vitaminas e minerais.

Neste sentido e apesar de, na maior parte das vezes, uma alimentação saudável ser suficiente para atingir as necessidades nutricionais de um atleta, por vezes os suplementos dietéticos constituem uma ferramenta importante para melhorar o rendimento desportivo. Mas apenas quando acrescentam e não substituem a base alimentar.

Para além disso, cada suplemento tem o seu objetivo e utilidade específicos. Existem várias categorias de suplementos que são comummente utilizados pelos atletas, nomeadamente suplementos que3,4,5:

  • Promovem o crescimento e reparação muscular (ex: proteína, aminoácidos essenciais, creatina)
  • Melhoram a perfomance (ex: beta-alanina, nitratos e bicarbonatos)
  • Promovem a função imunológica e a resistência a infeções (ex: antioxidantes e glutamina)
  • Estimulam o sistema nervoso central (ex: cafeína)
  • Promovem a saúde das articulações (ex: glucosamina e sulfato de condroitina)
  • Intervêm na reposição de fluidos e eletrólitos (ex: bebidas energéticas e suplementos eletrolíticos)

Entre outros.

É de notar que, por vezes, os atletas não têm uma compreensão clara dos potenciais efeitos dos suplementos que ingerem, sendo necessário uma análise cuidadosa do custo-benefício. De um lado da balança está claramente um melhor desempenho desportivo e maior eficácia na produção de resultados em termos de linha temporal, e do outro lado da balança, estão os custos (componente financeira) e os riscos.

Além disso, não podemos desvalorizar a individualidade de cada atleta, ou seja, os atletas podem responder de forma diferente a um determinado suplemento, com alguns exibindo um efeito benéfico enquanto que outros experienciam um efeito negativo no desempenho, daí a importância de haver um acompanhamento especializado por um profissional de saúde4.

De uma forma geral, o consumo de suplementos de forma adequada, ou seja, seguindo as recomendações de um nutricionista ou profissional de saúde qualificado na área, traz benefícios e aumentam o rendimento desportivo do atleta. No entanto, o seu uso não compensa as escolhas alimentares inadequadas de uma dieta nutricionalmente pobre.

Assim sendo, deve sempre praticar uma alimentação completa, variada e equilibrada, adequando à modalidade desportiva que realiza e só posteriormente suplementar de acordo com as suas necessidades.

Referências bibliográficas:
  1. Diário da República. Decreto-Lei no136/2003
  2. National Institutes of Health. Dietary Supplements for Exercise and Athletic Performance – Health Professional Fact Sheet
  3. Maughan RJ, Burke LM, Dvorak J, Larson-Meyer DE, Peeling P, Phillips SM, et al. IOC consensus statement: Dietary supplements and the high-performance athlete. Br J Sports Med. 2018;52(7):439–55
  4. Maughan RJ, Greenhaff PL, Hespel P. Dietary supplements for athletes: Emerging trends and recurring themes. J Sports Sci. 2011;29(SUPPL. 1):37–41
  5. Maughan RJ, Depiesse F, Geyer H. The use of dietary supplements by athletes. J Sports Sci. 2007;25(SUPPL. 1):103–13

Catarina Li
Nutricionista Estagiária Auchan
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº3257NE