Pseudocereais, benéficos ou apenas uma questão de moda?

AE vs pseudocerais2 web | Auchan&Eu

Na verdade, os pseudocereais já são consumidos pelas populações há centenas de anos. São conhecidos como os “grãos dourados” e “alimentos do passado para pessoas do futuro”.

Por não pertencerem à família das gramíneas não são considerados cereais. De acordo com as suas características botânicas, os pseudocereais são diferentes dos cereais, mas foram batizados com este nome devido à sua proximidade em termos de quantidade de hidratos de carbono, textura, palatibilidade e métodos de confeção.

Os pseudocereais mais cultivados são a Quinoa, o Amaranto, a Chia e o Trigo Sarraceno. Devido às suas características agronómicas, adaptabilidade ecológica e alto valor nutricional, este grupo de alimentos é bastante relevante a vários níveis: económico, social, ecológico, nutricional e funcional.

Compostos benéficos dos Pseudocereais

  • Aminoácidos Essenciais: Uma das vantagens dos pseudocereais é o facto de conterem aminoácidos essenciais, como a lisina, que desempenham um papel no desenvolvimento e crescimento cerebral. Por este motivo, podem ser uma excelente opção para reforçar a ingestão de proteína em dietas com baixo teor deste nutriente (como é o caso das dietas veganas e vegetarianas).
  • Naturalmente isentos de glúten: devido à ausência de glúten tornam-se alimentos muito relevantes para pessoas com doença celíaca ou intolerância ao glúten. A quantidade de cálcio, ferro e magnésio é, muitas vezes, baixa em produtos sem glúten. Os pseudocereais conseguem fornecer estes minerais representando uma boa solução.
  • Compostos bioativos: têm compostos bioativos como os flavonoides, os ácidos fenólicos, ácidos gordos e vitaminas que trazem imensos benefícios para a sua saúde!

Acompanhe-nos numa viagem pelos principais pseudocereais:

Quinoa

A Quinoa é uma planta herbácea originária da região dos Andes, mas recentemente cultivada em muitos países (principalmente na Ásia e na Europa) devido às suas características interessantes. Dentro do grupo dos pseudocereais, a quinoa destaca-se por ser uma fonte relevante de proteínas. Tem, ainda, baixo teor de açúcares e é rica em fibras, contribuindo para a regulação do trânsito gastrointestinal. É uma boa fonte de Cálcio (15,5% VRN) e de Fósforo (29,3% VRN), e é rico em Ferro (37,1% VRN) e em Zinco (33% VRN).

Amaranto

O Amaranto é uma semente originária do Peru que tem na sua constituição compostos bioativos capazes de diminuir o risco de várias doenças, diminuindo os níveis séricos de colesterol. Além disso, tem a capacidade de inibir a proliferação de células cancerígenas.

Chia

A Chia é uma planta nativa do México e da Guatemala. Embora muito do interesse das sementes de chia tenha sido focado na extração de óleo, a chia também é uma boa fonte de proteínas, rica em fibras alimentares e compostos fenólicos. É, também, rica em minerais, como Cálcio (62,5% VRN), Fósforo (76,4% VRN) e Magnésio (105,5% VRN). O seu teor de compostos bioativos tem-se mostrado benéfico contra diversos distúrbios, como obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e cancro. A semente de chia pode ser consumida inteira ou na forma de farinha e geralmente é adicionada a outros alimentos, como iogurtes, saladas, preparações, pão e bebidas.

Trigo Sarraceno

É amplamente e tradicionalmente cultivado na Ásia, e foi introduzido na Europa por populações nómadas. Nos países asiáticos é utilizado como alimento, mas também como medicina tradicional, uma vez que estudos recentes demonstraram que os compostos bioativos do trigo sarraceno podem contribuir para diminuir fatores de risco relacionados a distúrbios como o cancro, doenças cardiovasculares ou problemas hemáticos.

Devido ao seu valor nutricional e aos seus benefícios para a saúde humana, os pseudocereais devem fazer parte da dieta da população mundial.

Já fazem parte da sua?

Referências bibliográficas:
  1. Morales D, Miguel M, Garcés-Rimón M. Pseudocereals: a novel source of biologically active peptides. Crit Rev Food Sci Nutr [Internet]. 2021;61(9):1537–44. Available from: https://doi.org/10.1080/10408398.2020.1761774

 

Inês Chambel, Estagiária do Curso de Dietética e Nutrição da ESTeSL

Informação validada pela Equipa de Nutricionistas Auchan