Dieta Mediterrânica e Doença Cardiovascular

Dollarphotoclub 85243190 web | Auchan&Eu

As doenças cardiovasculares continuam a representar a principal causa de morte em Portugal*. São ainda causadoras de incapacidade numa percentagem significativa da população portuguesa, com significativa redução da qualidade de vida. Fatores que contribuem para o aparecimento de doenças cardiovasculares são o sedentarismo, o tabagismo, o stress, a hipertensão, a dislipidémia, a diabetes e a obesidade, estando as quatro últimas condicionadas pela alimentação. Dada a relação destes factores com a forma como nos alimentamos a prática de uma alimentação variada e equilibrada torna-se imperativa.

A Dieta Mediterrânica baseada no consumo de produtos locais, na sociabilidade de gerações em volta da mesa e no consumo de produtos que têm características nutricionais únicas, tem sido largamente estudada enquanto possível resposta para a redução da doença cardiovascular.

No entanto, a dieta mediterrânica é cada vez menos comum e a dieta ocidental tem vindo a ocupar o seu lugar, com a consequente redução do consumo de gorduras insaturadas e aumento do consumo de açúcares de absorção rápida, gorduras saturadas, gorduras trans e sal, sendo todos estes fatores determinantes no aumento do risco da doença cardiovascular. É fundamental preservar os hábitos tradicionais mais saudáveis, para reduzir a incidência e prevalência das doenças cardiovasculares e de outras doenças crónicas.

A classificação da Dieta Mediterrânica como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO constituiu um marco importante neste caminho, contribuindo para lembrar os cidadãos que a Dieta Mediterrânica permite manter um estilo de vida saudável, que se pode associar ao aumento da esperança média de vida, com uma melhor qualidade de vida. Tendo em conta o panorama da saúde alimentar nacional, a adesão à Dieta Mediterrânica deve fazer parte de um modelo de saúde de referência, cuja implementação no nosso país deve ser altamente incentivada, de modo a melhorar a saúde alimentar e cardiovascular dos portugueses.

Zélia Santos Presidente da Associação Portuguesa de Dietistas.
Membro do Conselho Executivo do Movimento 2020.
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº0527N.

* fonte: INE e a Direção Geral de Saúde 2014