Benefícios do figo

O figo é um fruto nutritivo e suculento, proveniente de uma árvore do género Ficus Carica que é na verdade a figueira comum nativa da região Mediterrânica e uma das primeiras plantas cultivadas por humanos em climas quentes e secos como o Médio Oriente e toda a zona do mediterrâneo. Têm sido atribuídos diversos benefícios aos frutos da figueira, nomeadamente, poder antioxidante, capacidade antifúngica, anti-helmíntica, anti-carcinogénica, anti-inflamatória e hipolipedimiante.

Os figos são uma fruta da época que pode ser colhida duas vezes por ano, durante a temporada de Agosto e Setembro. São frutos em forma de pera existindo diferentes variedades de cor, sabor e forma. A casca, após amadurecer, é dura e a sua cor pode variar de amarelo a verde e de roxo ou vermelho a preto. A polpa é comestível, de cor verde ou avermelhada, contendo um grande número de sementes esbranquiçadas.

São muito pobres em sódio e gordura, livres de colesterol e ricos em açúcares simples, fibra e antioxidantes com a capacidade de inibir a formação de radicais livres. Os figos possuem maiores quantidades de compostos fenólicos do que o vinho tinto e o chá preto. Os compostos fenólicos, para além das capacidades antioxidantes, são também responsáveis pelas características do fruto, como a cor, o sabor e o aroma. Uma quantidade elevada de compostos fenólicos está presente na casca, pelo que se recomenda o consumo da fruta inteira. São ainda fonte importante de minerais como o ferro, cálcio, potássio e magnésio e vitaminas como a tiamina (B1) e a riboflavina (B2), contendo ainda mais de 17 tipos de aminoácidos.

Os figos podem ser consumidos frescos ou secos, ser utilizados em doces, produtos de pastelaria, geleias ou sumos. Por fermentação, podem fabricar-se vinhos doces, aguardentes e vinagres.

A composição em fitoquímicos, também responsável pela capacidade antioxidante, é afetada pela variedade do figo, pela cor, parte da fruta (casca, polpa), método de secagem e estado de maturação, sendo a concentração máxima quando estão mais maduros. Diversos estudos têm também demonstrado maior concentração de fitoquímicos nos figos secos. No entanto, o figo seco tem mais açúcar e consequentemente, maior valor energético. Os figos provenientes de variedades de cor escura apresentam um maior poder antioxidante em comparação com os de variedades de cor clara.

Devido ao seu conteúdo em fibra solúvel e regulação da saciedade, poderá ser um aliado na gestão do peso, lembrando, contudo, que a chave é a moderação. Por outro lado, pode também auxiliar na regulação do trânsito intestinal. São ainda atribuídos benefícios ao nível do sistema respiratório, capacidade hipotensiva e antihipertensiva e atividade antidiabética.

Na altura de escolher, deve optar por aqueles que apresentem uma casca intacta, firme e brilhante. Uma porção aconselhada de figo corresponde em média a 2 figos pequenos.

 

Referências bibliográficas:

1 – Arvaniti OS, Samaras Y, Gatidou G, Thomaidis NS, Stasinakis AS. Review on fresh and dried figs: Chemical analysis and occurrence of phytochemical compounds, antioxidant capacity and health effects. Food Research International. 2019

2 – Ficus carica. Utad. 2019

3 – Barolo MI, Mostacero NR, López SN. Ficus carica L. (Moraceae): An ancient source of food and health, Food Chemistry. 2014

4 – Badgujar SB, Patel VV, Bandivdekar AH, Mahajan RT. Traditional uses, phytochemistry and pharmacology of Ficus carica: a review. Pharm Biol. 2014 Nov;52(11):1487-503.

5 – Ficus carica L. Serralves. 2019.

6 – Alamgeer, Iman S, Asif H, Saleem M. Evaluation of antihypertensive potential of Ficus carica fruit. Pharm Biol. 2017;55(1):1047–1053.

7 – Deepa P, Sowndhararajan K, Kim S, Park SJ. A role of Ficus species in the management of diabetes mellitus: A review. Journal of Ethnopharmacology. 2018. 215, 210–232.

Dalila Abreu
Nutricionista Estagiária Auchan
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº 2691NE

PUB PUB