Alimentos que deve guardar no frigorífico

Alimentos que deve guardar no frigorífico

A qualidade dos alimentos, que consumimos, influencia diretamente a nossa saúde e o nosso bem-estar. Neste sentido, existem cuidados básicos que devemos ter na conservação dos produtos alimentares, para garantir que se encontram em bom estado, no momento do consumo. O não cumprimento destes cuidados pode levar à deterioração do alimento, com alteração das suas características organolépticas (cor, sabor, odor, textura). Deixará, por isso, de ser desejado para consumo ou pode mesmo ser inadequado para esse fim.

No que toca à conservação dos produtos alimentares, os cuidados vêm normalmente indicados nos seus rótulos.

No entanto, nos produtos frescos, sem embalagem, esses cuidados podem não ser tão claros. A principal função da refrigeração, como método de conservação dos alimentos, é a de manter a qualidade original do alimento e prolongar a sua vida útil.

Modo de Atuação do Frio sobre os alimentos

  • Inibe ou retarda a actividade das enzimas microbianas e dos alimentos
  • Inibe ou retarda a velocidade de outras reacções químicas não enzimáticas
  • Inibe ou retarda o crescimento dos microrganismos

Às temperaturas de refrigeração (0º a 5oºC), o crescimento microbiano e a produção de toxinas estão fortemente diminuídos. Isto irá reduzir o risco de toxinfecções alimentares, aumentando a durabilidade dos alimentos. A conservação pelo frio tem ainda a vantagem de preservar grande parte do valor nutritivo e organoléptico dos alimentos (cor, sabor, odor, textura). Há alimentos, tais como a carne e o pescado, que são colocados em refrigeração por instinto, uma vez que são perecíveis (degradam-se rapidamente).

No entanto, existem outros que levantam algumas dúvidas, tais como:

Tortilhas

Dada a necessidade de serem moldáveis, no momento de consumo, recomenda-se a refrigeração após a abertura da embalagem.

Enchidos

As carnes curadas são menos propensas a conter bactérias. No entanto, isso não significa que sejam 100% seguras. Por isso, recomenda-se a refrigeração, para retardar o crescimento bacteriano.

Banana

Devemos colocar no frio se já tiverem maduras, uma vez que a refrigeração inibe o processo de amadurecimento. As que se encontram verdes não devem ser colocadas no frio; acabam por se estragar sem atingir o grau de amadurecimento ideal. Em refrigeração, a casca poderá ficar escura, mas o produto está bom para consumo.

Abacate

Tal como a banana, só deve ser colocado em refrigeração se o objetivo for a sua conservação, ou seja, evitar ou atrasar o seu amadurecimento.

Frutos oleaginosos (como a noz)

Este fruto é constituído por gorduras muito frágeis que se alteram facilmente com a luz, calor e humidade. Estas alterações provocam a rancificação das gorduras, dando-lhes o sabor típico a “ranço”. Posto isto, recomenda-se a sua conservação em refrigeração num recipiente hermeticamente fechado.

Frutos secos (como ameixa ou damasco)

Têm menor percentagem de água do que frutas frescas, por isso não se deterioram tão rapidamente. Ainda assim, propõe-se a refrigeração para garantir o máximo de frescura.

Ketchup

A acidez deste produto torna-o num produto seguro e, tecnicamente, não precisa ser armazenado em refrigeração. No entanto, se o produto não for gasto rapidamente deve mantê-lo em refrigeração, para inibir o crescimento bacteriano. Após a sua abertura, deverá ser mantido em refrigeração, com o objetivo de manter a cor e o sabor.

Garrafas de vinho tinto após abertura

O vinho tinto aberto deve ser tapado e mantido em refrigeração. Isso vai atrasar o processo de oxidação e evitar que se transforme em “vinagre”.

Manteigas

Devem ser mantidas em refrigeração, uma vez que a temperatura ambiente provoca a sua rancificação (cheiro e sabor a “ranço”), tornando-a imprópria para o consumo. Pode ainda causar intoxicação alimentar se essa exposição for superior a 2 horas.

Este artigo é meramente informativo e não pretende, nem deve, substituir as recomendações das autoridades de saúde e alimentares portuguesas, bem como a rotulagem dos alimentos.

Gisela Carrilho
Membro da Ordem dos Nutricionistas nº 1796N