Escrever um diário: benefícios e ideias

AE VS escrever diario web1 | Auchan&Eu

A maior parte de nós já não escreve o que lhe vai na alma ou na imaginação desde os tempos de escola, o que é uma pena. Apesar de parecer algo leve e trivial, manter um diário pode oferecer muitas oportunidades para nos compreendermos melhor e fazer maravilhas pelo bem-estar, em qualquer idade. Escrever todos os dias é um check-in com o nosso estado nesse momento, seja mental, emocional ou físico. O reconhecimento de sensações e sentimentos é o primeiro passo para os compreender, e a partir daí, resolvê-los ou integrá-los. O conteúdo pouco importa, pode ir do mais objetivo ao mais disperso. Mesmo que se escreva algo completamente abstrato, ficção, um poema, o que passa para o papel acaba por ser um reflexo do estado de espírito. No limite, pode nem ser sempre um registo escrito: mapas, gráficos, recortes, desenhos, folhas ou flores secas, qualquer coisa pode fazer parte de um diário. O que nunca deixa de haver é uma ligação entre o que se exprime e o que se está a viver.

Quando?

A maior dificuldade está em manter a regularidade. Uma boa estratégia é dirigir o tema ou o mote para algo que lhe interesse particularmente – e para algumas pessoas o mais estimulante é precisamente não ter mote e poderem registar o que lhes apetecer – e escolher um momento do dia que seja propício à consistência. A manhã é mais propícia à organização, à formulação de intenções e à motivação para as tarefas e os acontecimentos do dia. Também pode ser uma boa ocasião para um diário de sonhos, logo após acordar. O meio do dia pode funcionar como um separador entre funções, ajudando a transição entre casa e trabalho, por exemplo. Escrever à hora de almoço pode ajudar a finalizar a manhã e preparar a tarde, mesmo que não se escreva diretamente sobre o que se fez ou vai fazer. Uma pausa para escrita pode fazer toda a diferença no modo como se faz face a situações difíceis, resolve problemas ou lida com emoções complexas. Já a noite convida a diários mais intimistas, reflexões sobre o dia que passou, processamento de emoções e integração do que se viveu. Esta altura é normalmente aquela onde é mais fácil arranjar tempo livre e algum sossego, antes de dormir.

Seguem-se algumas ideias do que pode conter um registo diário:

Diário Físico

O diário serve para questões relacionadas com o corpo. Há quem goste de um registo gráfico – com um código de cores ou desenhos – para hábitos como exercício, alimentação, beber água ou café, quantidade e qualidade de sono. Há mulheres que utilizam este método para documentar os ciclos menstruais e compreender melhor as reações do corpo em cada fase. Estes registos podem ser muito úteis se existe algum problema relacionado com o estilo de vida, como dores de cabeça ou problemas gastrointestinais, mostrando alguns fatores de agravamento ou melhoria da situação.

Diário Emocional

Em termos emocionais, escrever um ou dois parágrafos todos os dias ajuda a entender qual a perspetiva escolhida para narrar o dia, identificar se esta é tendencialmente positiva ou se está mais focada na parte negativa. Aos poucos, o exercício da escolha da narrativa ajuda também a encarar a vida de forma diferente. Um exercício interessante pode ser escrever os pensamentos recorrentes ou ruminantes num lado da folha, e do outro escolher algumas frases sobre aspetos da vida que se consideram positivos ou que estejam a correr bem. O contraste ajuda a relativizar os primeiros e a ver a imagem completa, pois faz parte da vida haver uma mistura de situações positivas e negativas. O mesmo pode ser feito para processar situações que aconteceram e que podem despoletar espirais de pensamentos, tais como conversas difíceis, momentos infelizes ou embaraçosos, mas que já passaram, não podem ser reescritos e na maior parte dos casos, ninguém se importa assim tanto com eles. Escrever ajuda a relativizar, processar, e em alguns casos, esquecer o que se passou. O diário emocional pode ajudar a sinalizar comportamentos, tais como a auto-depreciação, a impulsividade, o medo ou a insegurança, identificando as situações em que surgem e abrindo a porta para uma reflexão sobre o que se pode mudar para melhorar a situação.

Diário Mental

No campo mental, escrever todos os dias pode ajudar a “esvaziar” a cabeça e reduzir a sensação de que tudo é avassalador. Escrever uma lista de tarefas ou intenções para o dia seguinte antes de ir para a cama pode ajudar a tirar esses pensamentos do caminho, como se os gravássemos numa pen drive externa, que os guarda até serem necessários no dia seguinte, libertando a mente para dormir descansada. O mesmo método pode ser usado para encontrar soluções para problemas complexos, registando alguns tópicos sobre o problema ou a solução antes de sair desse contexto e fazer algo diferente – descansar, dar uma volta ou fazer uma tarefa sem esforço intelectual – voltando depois aos tópicos, editando-os até chegar a uma solução. Este método parece simplista e preguiçoso, mas resulta.

Diário de frases e curiosidades

Pode-se fazer um diário de citações, frases divertidas ou que façam pensar. As pequenas curiosidades e pesquisas espontâneas que se vão fazendo também podem ter lugar nestas páginas, numa coleção de miscelânias que a certa altura nos chamaram a atenção e às quais podemos voltar quando quisermos.

Diário Sazonal

Para quem quer estar mais ligado à natureza, mesmo a viver na cidade, o diário pode estar relacionado com as sensações relativas à mudança das estações, ao ambiente, à meteorologia e à forma como estes fatores nos afetam.

Diário de Gratidão

Um diário de gratidão é uma das formas mais eficazes de diário emocional, pois logo à partida está formulado na positiva, e permite procurar o que de bom aconteceu num dia. De acordo com a Programação Neuro-Linguística, a forma como se formula determinado acontecimento contribui para a nossa experiência desse acontecimento. Logo uma formulação positiva ajuda bastante.

Diário de histórias

Um diário de histórias é uma forma divertida de colecionar as pequenas histórias que nos contam e que contamos. Episódios ouvidos em conversas de amigos, situações cómicas, embaraçosas ou divertidas, que muitas vezes contamos mas acabamos por esquecer. Manter um diário dessas pequenas histórias pode ser um bom apanhado para as situar no tempo e para as preservar, porque uma boa história merece ser contada. Pode juntar a este diário as histórias dos pais e avós, pedaços da vivência das gerações anteriores que são preciosos e merecem ser preservados para um dia mais tarde ler e dar a ler às futuras gerações. Este tipo de diário também pode ser utilizado para colecionar truques, receitas e pequenas tradições de família.

Quanto ao formato do diário, é consensual que escrever à mão, num bloco ou caderno, é a forma que tem a ligação mais direta aos pensamentos e sentimentos. No entanto, vale a forma que permitir mais consistência. Não há mal nenhum em escrever umas linhas livres ao ligar o computador antes de trabalhar, ou no final, antes de encerrar, se isso tornar mais fácil escrever todos os dias. Aceite o desafio durante um mês. Será precisa alguma persistência, alguma tentativa e erro para entender o tipo de diário que mais lhe diz, mas nesses dias poderá estabelecer-se um novo hábito. Depois, há que ganhar-lhe o gosto e colher os benefícios.

Boa escrita!

Teresa Fernandes, Fisioterapeuta Instrutora de Yoga Suspenso, Gyrotonic e Gyrokinesis (aplicação na perda de mobilidade, prevenção de problemas músculo-esqueléticos, pré e pós-parto).