Exercício ao ar livre com pets

A realidade do último ano levou muitos portugueses a alterar os seus hábitos. Algumas pessoas que frequentavam ginásios passaram a praticar desporto em casa ou ao ar livre. Além disso, muitas famílias optaram também por adotar animais, enriquecendo o seu ambiente em casa e oferecendo aos seus novos companheiros uma vida melhor.

Porque não juntar estas duas ideias, e aproveitar o tempo para fazer exercício e dar atenção ao seu pet?

Ficam algumas sugestões de atividades para fazer com o seu cão, desde as mais leves às mais aventureiras. Se tem um cão, ele provavelmente fica extasiado na hora de ir à rua, e com razão.

Os cães beneficiam da exploração do espaço, do convívio com outros cães e da companhia dos donos, que muitas vezes estão ausentes ou ocupados noutras tarefas durante o dia. Retribua o amor incondicional do seu animal de estimação com um tempo bem passado, dando uma volta maior com ele de manhã e/ou ao final do dia.

Procure fazer um percurso variado.

Com subidas, descidas, vários tipos de piso e de preferência um local onde possa encontrar e conviver com outros cães. Nas cidades grandes, há cada vez mais espaços concebidos especialmente para os cães, onde estes podem andar à solta e brincar sem o perigo de fugir para a estrada.

Mas não se fique por aqui. As praias são muito convidativas, bem como os jardins, os parques naturais e a floresta. Os benefícios são vários, tanto para o animal como para si.

Andar em terreno variado, com declives e durante um tempo razoável – 30-60 minutos, por exemplo – ajuda a manter uma estrutura muscular e articular saudável, melhora os reflexos e as reações de equilíbrio. A tudo isto se junta a possibilidade de convivência. Um pouco de conversa trivial é bom para distrair o pensamento do rol constante de tarefas e das questões do dia-a-dia. E para o cão, a socialização com outros cães é fundamental para o seu desenvolvimento e bem-estar.

Uma nota importante quanto à saúde do animal.

Apesar de não parecer, pois os cães têm a tendência de querer agradar ao dono e aparentam ter uma energia inesgotável, há que dosear o exercício que oferece ao seu cão, sobretudo se é um cachorro ou um cão sénior. Procure ir aumentando gradualmente o tempo dos passeios. Nos passeios maiores ou mais cansativos, ofereça água ao animal de vez em quando, faça breves paragens e tome atenção a eventuais sinais de cansaço, como um arfar mais exuberante, deitar, ou recusar-se a continuar.

Especialmente nos cães mais idosos – pode usar a conversão dos sete “anos de cão” por cada ano, que embora não seja muito exata, dá para ter uma ideia – não é benéfico abusar no exercício. Nos cachorros, por terem as articulações em desenvolvimento, é bom equilibrar o exercício, oferecendo não só liberdade para correr e explorar, como também exercício “a passo”, ou seja, passeios mais controlados à trela. A marcha mais lenta nos cães ajuda a colocar mais peso sobre os membros posteriores, desenvolvendo melhor a musculatura e a saúde articular dessa região.

No entanto, não quer dizer que o seu cão não o possa acompanhar numa corrida de vez em quando, sobretudo se a fizer em curtos períodos, alternando com marcha mais lenta. Assegure-se que o cão está saudável e é obediente – idealmente deveria correr ao seu lado livremente, e não à trela – e aumente muito gradualmente o tempo de corrida, sem exagerar.

Esteja atento a sinais de cansaço ou lesão. Os animais também se ressentem depois de um dia de exercício intenso, portanto observe o comportamento do seu cão nos dias seguintes – se dorme mais ou está prostrado – e ajuste a dose de exercício de acordo. Evite passeios de bicicleta com o cão – e nunca o leve pela trela nessa situação – a não ser que o espaço permita ao animal andar a explorar ao seu ritmo sem o perder de vista. As ecovias ou caminhos em regiões rurais, menos cheios e em espaço aberto podem ser uma opção, se quiser levar o cão consigo.

Para donos e cães mais atléticos, porque não experimentar um treino de obediência, ou de agility?

Crie uma rotina de fim de semana ou de final de dia e passe umas horas a treinar o seu animal, beneficiando da cumplicidade e do exercício exigente. Não só fazem exercício juntos, como melhora a relação e ajuda a treinar o animal para seguir o dono, desde as ordens mais básicas às mais complexas.

Também em casa, ou na varanda, é possível fazer exercício na companhia do seu animal.

Estenda o tapete e pratique o exercício que lhe der gozo: yoga, pilates, exercícios de flexibilidade ou de força. Ou mesmo meditação, o que se pode ver como um exercício da mente. Os gatos gostam particularmente desse momento com os donos. Fazem bastante companhia, mesmo que esta implique alguma distração. Os cães – e eventualmente outros animais, mais exóticos, que possam andar pela casa – também. É uma forma de fazer companhia enquanto treina.

Longe vão os dias em que ter um animal era considerado apenas uma “prisão”, cheia de responsabilidades. O aumento do tempo passado em casa veio demonstrar a companhia valiosa que eles fazem aos donos, e quanto podem contribuir para a sua felicidade e saúde mental.

Experimente estas pequenas rotinas para que o benefício seja também físico, e alie a boa energia do seu animal à sua prática desportiva. Ele vai agradecer e a sua saúde também!

Teresa Fernandes, Fisioterapeuta
Instrutora de Yoga Suspenso, Gyrotonic e Gyrokinesis (aplicação na perda de mobilidade, prevenção de problemas músculo-esqueléticos, pré e pós-parto)