Saúde Mental: A importância do equilíbrio emocional para uma boa qualidade de vida

AE VS equilibrio emocional web1 | Auchan&Eu

No nosso dia-a-dia são muitos os desafios que temos que gerir e que têm impacto no nosso bem estar físico e emocional e consequentemente na nossa qualidade de vida.

Para termos uma boa qualidade de vida implica que as condições básicas e suplementares do ser humano estejam asseguradas. Estas condições envolvem desde o bem-estar físico, mental, psicológico e emocional, os relacionamentos sociais, como família e amigos, e também a saúde, a educação e outros parâmetros que afetam a vida humana. Para uma boa qualidade de vida, devemos ter hábitos saudáveis, cuidar bem do corpo, ter uma alimentação equilibrada, relacionamentos saudáveis, ter tempo para o lazer e vários outros hábitos que façam o indivíduo se sentir bem.

Uma das condições essenciais para uma boa qualidade de vida é o equilíbrio emocional. Este é uma competência comportamental que permite reconhecer a influência das emoções e, em resposta, exercer o autocontrolo sobre as mesmas, a fim de obter reações mais centradas, racionais e harmoniosas, mesmo perante situações extremas. Esta é uma ferramenta poderosa, capaz de influenciar relacionamentos, mudar padrões de conduta e gerar comportamentos mais positivos. Relacionado com o equilíbrio emocional estão competências/soft skills como a empatia, autoconhecimento e assertividade, essenciais para gerir as nossas reações diárias.

Para um bom equilíbrio emocional é importante construir uma relação harmoniosa com as próprias emoções. Os sentimentos devem ser percepcionados e libertados no momento oportuno, da melhor forma possível. O resultado é a manutenção da saúde emocional e psíquica, com efeitos diretos sobre o nosso bem estar e qualidade de vida. Ter equilíbrio emocional no meio de tantas solicitações diárias, na correria do dia a-dia, parece algo, por vezes, difícil de atingir. No entanto, todos temos a capacidade para aprender e aprimorar o equilíbrio emocional aos poucos, tendo em conta ações simples e contínuas.

O equilíbrio emocional é alcançado através de investimento em técnicas de gestão da emoção e inteligência emocional. Ao melhorar e fortalecer o equilíbrio das emoções permite-nos controlar os pensamentos, sentimentos e ações que influenciam o nosso comportamentos perante as situações, dando clareza e foco na resolução de problemas e na procura de alternativas, levando a decisões mais assertivas, conscientes e ponderadas. Para isso é importante combinar o conhecimento de si próprio com a compreensão sobre as motivações das outras pessoas para atingir o domínio do nosso comportamento. Compreender o que está por trás do comportamento, nosso e dos outros, é a chave para potencializar o equilíbrio emocional. O desequilíbrio emocional ocorre quando perdemos o controlo das ações, o que gera descontrolo dos sentimentos. Existem quatro fatores que geram desequilíbrio emocional: impulsividade, pressões externas, rotina stressante e mudanças repentinas. Estes factores influenciam na forma como a pessoa se vê, podendo levar à criação de uma auto-imagem distorcida, a uma maior propensão para sintomas físicos e distúrbios emocionais, stress e ansiedade, dificuldade nos relacionamentos, queda na produtividade e levar à síndrome de burnout, fruto de esgotamento psíquico e emocional diante das exigências profissionais.

Não é saudável vivermos em constante desarmonia e descontrolo, mas é importante aceitarmos que é comum nos descontrolamos de vez em quando, principalmente quando enfrentamos cenários extremos.

Existem estratégias para manter o equilíbrio emocional que devemos ter em conta e que nos ajudam a ter uma boa qualidade de vida. É importante conhecermo-nos e termos em conta os nossos limites, pois sem isso é difícil gerir situações de crise. Conhecer os nossos limites ajuda a prevenir o esgotamento físico, psíquico e emocional. No mesmo seguimento, tomar consciência das nossas emoções é crucial para ajudar a reconhecer as situações que geram mal-estar e assim diminuir os efeitos do stress. A autoconfiança deve ser desenvolvida, valorizando situações positivas e evocando emoções positivas. Assim, podemos educar os nossos pensamentos. Emoções e pensamentos estão ligados, por isso, um influencia o outro. Se queremos controlar as emoções, podemos investir numa mudança no padrão de pensamentos, priorizando os positivos e estimulantes. Quando identificamos um pensamento negativo podemos colocá-lo em dúvida abrindo espaço para hipóteses positivas e lembranças agradáveis. Mantendo esta atitude no tempo ajuda a que se torne um hábito. Também é importante cultivar relações seguras e saudáveis, mantendo por perto as pessoas que ajudam a melhorar e a sentir-se bem. Por fim, devemos dar espaço a momentos e atividades de prazer que aliviem a tensão mental e a sobrecarga emocional, sendo importante quebrar a rotina.

O equilíbrio emocional é uma medida preventiva que ajuda a evitar o adoecimento da mente é essencial para a manutenção de uma boa qualidade de vida. Ter equilíbrio não implica em renegar ou esconder o que sente e, sim, em expressar as emoções no momento adequado, de forma assertiva para não magoar a si mesmo e a outras pessoas. Quando nos conhecemos melhor tomamos consciência das nossas forças e fraquezas, dando uma oportunidade de aperfeiçoamento. E todos podemos crescer e melhorar, na procura de um melhor equilíbrio emocional e consequentemente de uma melhor qualidade de vida.

catarina moco | Auchan&Eu

Catarina Moço
Psicóloga Clínica (OP 5069)
Fundação Pão de Açúcar Auchan