Como levar as crianças às compras, por Sara Sousa

Responsável com… Sara Sousa

Psicóloga de formação, Sara Sousa é técnica de saúde e condições de trabalho na Direção de Recursos Humanos Jumbo.
Para além disso (e para o caso tão ou mais importante) é mãe. O seu testemunho sobre como motivar e controlar as crianças no momento da ida ao supermercado tem por isso uma autoridade redobrada.

Levar as crianças às compras é um divertimento para elas. Mas pode ser um pesadelo para os pais. Como evitar isto?
A decisão de levar as crianças connosco às compras depende sobretudo do tempo que temos disponível. Se estamos com pressa é melhor evitar.
Outra questão importante é se estamos sozinhos ou acompanhados: se tivermos ajuda, um adulto pode ficar a tomar conta das crianças e nós ficamos livres para fazer a seleção de produtos que pretendemos comprar.

De que formas se pode lidar com as birras e os pedidos constantes das crianças para levar este e aquele produto?
A maioria das birras e das chamadas de atenção das crianças são consequência do cansaço, por isso se fazemos compras ao final do dia e temos mesmo de levar as crianças é preciso ter uma dose extra de paciência.

Mas as compras não podem também ser encaradas como um momento didático?
Se houver tempo, ir às compras com crianças pode ser um momento de distração em que aproveitamos para educar a nível do comportamento e transmitir alguns conceitos em relação à escolha dos produtos. Podemos fazer com eles uma lista e depois pedir a sua colaboração para ir buscar os produtos e estimular a sua autonomia.

Ver os pais a comprar produtos saudáveis pode ser uma parte importante da educação alimentar das crianças. O que podem os pais aproveitar para lhes ensinar?   
A uniformização das refeições nas escolas não tem contribuído para “educar para a escolha” mas podemos fazer o contraponto quando vamos às compras com os nossos filhos. Por exemplo, em relação ao meu filho mais velho deixo-o escolher “snacks” saudáveis para levar para a escola. Dou-lhe um “plafond” de custos e ele seleciona os produtos, sendo que estimulo sempre a escolha da marca própria do Jumbo. A partir da idade em que a apreensão da leitura já permite a compreensão dos rótulos também podemos começar a introduzir questões de valor. Ou seja, começar a abordar as escalas de preço e o orçamento disponível para cada refeição.

Pode também ser uma boa oportunidade para aprenderem o que significam os rótulos e aprender a selecionar os produtos?
Sim. Por exemplo, no caso de crianças que sofrem de intolerâncias alimentares (é o caso do meu filho) podemos começar a ensiná-los a identificar os produtos adequados. Ler ou mesmo interpretar os rótulos, a composição dos alimentos, fazê-los participar na escolha em função das necessidades alimentares é benéfico. Os alergénios, por exemplo, têm de estar hoje assinalados a “negrito” nas embalagens o que torna a sua identificação mais fácil, até pelas crianças.

O carrinho de compras pode ser um aliado para manter as crianças sob o nosso olhar? É preferível mantê-las lá dentro ou é melhor ficarem afastadas dos artigos…?
Os carrinhos de compras com espaço para as crianças devem ser usados sempre que possível mas apenas até um limite de peso de 15 a 20 kg. É a forma mais segura de transportar a criança dentro do hipermercado. Dentro do carrinho de compras, mas fora da cadeirinha para crianças é de evitar. O adulto nunca deve abandonar o carrinho de compras com a criança sentada porque a reação da criança será tentar sair ou aceder às prateleiras, podendo cair.

A verdade é que muitas vezes as crianças têm tendência para tentar abrir os produtos que vamos colocando no carrinho?
Quando as crianças querem abrir e consumir os produtos que estamos a selecionar, devemos tentar desviar a atenção, mas se a criança estiver irredutível podemos recorrer ao espaço de cafetaria onde é possível consumir no local. A única excepção é a água: se uma criança precisar de beber água pode servir-se na cafetaria ou abrir eventualmente uma garrafa de água que o adulto tenha selecionado para comprar.

Seja como for, os acidentes podem sempre acontecer. Há formas de os evitar?
Se for confrontado com um acidente como a queda de produto em cima da criança ou o consumo indevido de um produto nocivo, deve pedir ajuda imediata à equipa do Jumbo, dado que existe em todas as lojas uma equipa de assistência com a devida formação para dar apoio no local. Se a criança se perder deve contactar de imediato o segurança na entrada da loja. As crianças também podem aprender a pedir ajuda ao segurança.

Em jeito de conclusão, quais diria que são as 3 regras de ouro quando levamos as crianças às compras?
Se tivesse de qualificar a ida às compras com as crianças escolhia 3 palavras: paciência, diálogo, rapidez. A experiência deve ser curta e não deve ser encarada como um momento de diversão.