Como prevenir a Leptospirose? Proteja o seu cão e a si próprio

Prevenir a Leptospirose? Proteja o seu cão

A Leptospirose é uma zoonose. Isto significa que é uma doença transmissível ao ser humano. É potencialmente grave, afetando os rins e o fígado. É transmitida por uma bactéria chamada Leptospira. Assim, pode ser contraída por praticamente todos os mamíferos, podendo ser somente portadores ou efetivamente sofrer de sinais derivados da doença. Deste modo, prevenir a Leptospirose é a melhor forma de se proteger, a si e ao seu cão.

Antes de mais, importa dizer que esta bactéria raramente passa para os seres humanos.

A bactéria aloja-se nos rins dos animais e passa para a terra, ou águas, através da urina. Na maioria dos casos, mesmo que transmitida, os sintomas no ser humano não são graves. Mas podem haver estirpes da doença que implicam complicações sérias. Nomeadamente ao nível da saúde das pessoas, variando a incidência com a região do país.

O mesmo não se passa com os cães, que têm grande risco de transmissão.

Os passeios na rua são necessários (e divertidos!). No entanto, fazem aumentar o risco de contraír esta doença. Os cães adoram andar a cheirar tudo, principalmente os locais onde outros cães urinaram. Assim, cães que passeiem em regiões de campo, e lagos ou lagoas, têm maior potencial de contágio.

Apesar dos animais poderem ser somente portadores, tal não é comum nos cães.

Na maioria dos casos, com a contração da doença, o cão vai ter sinais. E quanto mais novo for, piores serão. Deste modo, os sinais mais comuns incluem:

  • Febre
  • Recusa em comer
  • Vómitos
  • Dores no abdómen
  • Diarreias
  • Fraqueza extrema
  • Dores musculares
  • Rigidez
  • Depressão
  • Infertilidade

Com a confirmação da doença por um veterinário, existem várias formas de tratamento.

A terapia mais convencional é através de antibiótico. Este deve ser administrado o mais rapidamente possível, para uma melhor perspetiva de recuperação. No entanto, existe sempre a possibilidade de o cão ficar com lesões permanentes nos rins.

Tendo em conta o cenário, a melhor forma de prevenir a doença é através da vacinação.

A vacina tem a duração de um ano e deve ser renovada, para manter a imunização. No entanto, a vacina não é 100% eficaz, por existirem diversas estirpes da doença.

Adicionalmente, deve considerar outras medidas preventivas, nomeadamente:

  • Controlo de roedores

Se reside em áreas de elevada população de roedores, a transmissão da bactéria é mais provável. A bactéria transmitida por ratos está associada à forma mais grave da doença.

  • Lixo em segurança

Áreas com lixo são potenciais chamarizes para ratos. Por isso, mantenha as áreas onde circula livres de lixo. E evite passear o seu cão nessas áreas.

  • Água parada é proibida

Se costuma passear com o seu cão em caminhadas ao ar livre, evite que ele beba de poças e águas paradas. Leve água consigo e uma pequena tigela e ofereça ao seu cão, para o manter hidratado.

  • Nadar em lagos só com cuidado

Em passeios no exterior, principalmente no verão, um lago de água fresca é tentador para o seu cão. No entanto, se o seu cão tiver feridas, a bactéria transmissora pode entrar na corrente sanguínea.

A Leptospirose é uma doença potencialmente grave para os cães. Além de poder ser transmitida à família de tutores. A melhor forma de prevenir Leptospirose é combinar a vacinação com medidas de prevenção. Não arrisque!