Inspire-se no Feng Shui e traga os cinco elementos para sua casa

Os espaços onde vivemos, e passamos tempo, têm o poder de nos influenciar pela positiva ou pela negativa:

  • objetos que nos trazem más memórias ou que não nos dizem nada
  • tralha visual que nos limita os movimentos
  • desacordo entre o espaço e a sensibilidade estética de quem o habita

Pelo contrário, boas memórias, objetos bonitos, e que funcionam, e espaço para circular sem restrições provocam boas sensações quando se entra num espaço.

Periodicamente, e mesmo sem ter que comprar nada novo, pode e deve “dar uma volta” ao seu espaço. Tornando-o mais acolhedor e próximo da função que lhe dá e dos sentimentos que quer que lhe transmita.

O Feng Shui – disciplina chinesa orientada para harmonia dos ambientes, e não só – é sempre uma boa fonte de inspiração.

No sentido em que incita à organização das casas para a função, o fluir da energia (chi) e o bem-estar das pessoas. Mesmo que considere inverosímil que a sua vida melhore por mudar a configuração da sua sala. Abordar o Feng Shui de uma forma lúdica, e de mente aberta, pode chamar a atenção para áreas da sua vida em que algo bom pode acontecer. Ao dirigir a essas áreas a sua atenção está a abrir a porta a boas novidades.

Não é magia nem ciência oculta, apenas intenções que eventualmente se traduzem em ações. À semelhança do que acontece quando lê e fala regularmente sobre alimentação, saúde ou exercício. E dá por si a adquirir bons hábitos, nestas áreas, sem sequer tentar de forma intensa ou sistemática.

Uma das bases do Feng Shui é a incorporação dos cinco elementos:

  • terra
  • água
  • fogo
  • madeira
  • metal

Esta é feita nas diferentes divisões, de forma a potenciar as áreas da vida associadas a cada uma. Há também ciclos importantes de interação entre elementos, que ajudam a equilibrar e potenciar a presença de cada um.

Para uma análise e uma distribuição detalhada destes elementos, na sua casa especificamente, pode consultar um especialista. Isto acontece porque a aplicação exata destes elementos, em cada momento, requer uma análise mais profunda. Que é tão complexa como interessante.

No entanto, para o comum dos mortais, o Feng Shui funciona mais como inspiração.

O primeiro passo para se interessar pela matéria pode ser experimentar aplicar o baguá à sua casa. Este é um diagrama que ajuda a dividir a casa em setores, cada um com seu elemento preferencial. A partir dele, pode alterar a decoração da sua casa.

Há várias formas de aplicar o baguá. Mas há duas que se tornam mais fáceis, para uma primeira abordagem:

  • ajustar o baguá à casa, conforme os pontos cardeais
  • alinhar uma parte específica do baguá com a porta de entrada da casa e orientar o resto a partir daí

Use a que lhe for mais intuitiva e descubra que parte da sua casa corresponde a cada uma das nove áreas:

  • riqueza e abundância
  • fama e reputação
  • amor
  • família
  • saúde e bem-estar
  • crianças e criatividade
  • conhecimento e espiritualidade
  • carreira e caminho de vida
  • viagens e pessoas de referência

Na aplicação do baguá, a forma mais fácil é atribuir a cada área de vida uma ou mais divisões inteiras. Salvo casos em que uma divisão é grande o suficiente para cobrir duas áreas, considerando-se dois ambientes diferentes na mesma divisão.

É muito interessante a forma como se olha para a casa, depois de atribuir a cada espaço uma área de vida. Isto levará até a refletir sobre áreas em que, no presente, se investe pouco ou nada. E dar-lhes mais atenção, pelo simples facto de decorar uma divisão a pensar nelas.

Os cinco elementos distribuem-se pelas nove áreas de casa.

Em cada área, incorpore peças do elemento que lhe corresponde, bem como do elemento que o potencia no ciclo criativo. Evite objetos do elemento prejudicial ao elemento do local, pelo ciclo destrutivo.

O ciclo criativo determina que a água alimenta a madeira, que alimenta o fogo, que potencia a terra, que cria o metal, que favorece a água. Assim, por exemplo, se uma divisão “pede” o elemento água, pode favorecê-lo, ainda mais, se acrescentar objetos do elemento metal.

Pelo contrário, o ciclo destrutivo dá a água como antagonista do fogo, que derrete o metal, que corta a madeira, que desgasta a terra, que absorve a água. Assim, na divisão que é associada à água, objetos que representem o elemento terra são de evitar.

Tal como num jogo, passeie por sua casa e procure associar, a cada objeto decorativo, um elemento. Veja depois como pode compor o “puzzle” para encontrar, para cada objeto, o seu habitat mais favorável.

O elemento água corresponde a uma única área, do caminho de vida e carreira.

Aqui incluem-se oportunidades de trabalho, escolhas e reflexão, bem como momentos de transição na vida. Tais como a gravidez. A água está associada a cores escuras, nomeadamente o azul e o preto, e a formas onduladas. Objetos que tenham, representem ou evoquem a própria água – quadros, fontes, superfícies vidradas ou transparentes, espelhos – são bem-vindas, bem como os objetos do elemento metal. Aqui deve evitar o elemento terra.

O fogo também só está associado a uma das áreas da casa, correspondente à fama e reputação.

Nesta área, incluem-se as vitórias e os reconhecimentos na vida. Bem como a forma como se é visto pelos outros e como se destaca entre os demais. Nessa área da casa, ter uma vela acesa é um bom presságio, bem como as cores quentes, como o vermelho e o laranja. As fontes de calor, ou imagens que as representem, encaixam bem neste espaço. De acordo com os ciclos dos elementos, os objetos associados à água são de evitar, e o elemento madeira, por sua vez, é um feliz complemento.

O elemento metal corresponde a duas áreas adjacentes da casa, a da criatividade e crianças, e a das viagens e pessoas importantes.

A área da criatividade está associada à inovação e a novos projetos e, naturalmente, às crianças e ao que elas representam. Seja a vontade de aprender e a inocência na abordagem ao mundo, bem como a felicidade das coisas simples.

A área das viagens e das pessoas importantes prende-se com inspirações externas, trazidas para a casa e para a vida. Vindas de lugares longínquos, ou de pessoas importantes, que são ou foram a referência em determinada altura da vida. Pode ser um pai ou uma mãe, mas também alguém que não se conheça pessoalmente ou uma figura mítica. É comum nestas áreas da casa colocar pequenas estatuetas de deuses ou criaturas mitológicas, de preferência em metal. Bem como imagens ou frases de pessoas inspiradoras.
Nestas áreas, a cor branca e as formas arredondadas são as que melhor encaixam, bem como objetos de metal. Desde jóias a estatuetas, pormenores dourados, prateados ou acobreados. Devem juntar-se alguns objetos associados à terra, mas evitar os que representam o fogo.

A madeira, à semelhança do metal, pertence a duas áreas adjacentes da casa. A da riqueza e abundância e família.

Na área da riqueza e abundância devem predominar símbolos de prosperidade e cores auspiciosas. Como o roxo, o vermelho ou o dourado. Os alimentos são também representantes de abundância, pelo que ter a sala de jantar, ou a cozinha, neste espaço é interessante. No entanto, há que evitar moedas, representantes do símbolo metal.

Na área da família, procura-se harmonia e cores mais suaves, dentro dos verdes e azuis. Bem como imagens felizes da mesma. Aqui pode ser feita uma pequena galeria de fotografias, intercaladas por objetos dos elementos favoráveis. A madeira é associada à cor verde e às formas retangulares, mas tem como representantes mais importantes as plantas. Estas proporcionam uma ligação à Natureza, transformando o ambiente e trazendo vida às divisões.

Ressalva-se que devem ser plantas frescas e verdadeiras. As plantas em vaso duram mais e estão vivas, mas ter flores frescas numa jarra com água ocasionalmente, nestas áreas, pode ser um incentivo a novidades boas ou melhorias. O elemento água pode e deve fazer companhia às plantas, mas o elemento metal deve ser evitado.

Por fim, o elemento terra rege três áreas da casa.

É curioso que se associe este elemento à maior parte da casa. O sítio onde temos os pés assentes na terra. E onde encontramos a nossa base e renovamos a energia todos os dias. As áreas correspondentes à terra são as do amor, saúde e bem-estar e conhecimento e espiritualidade.

A área do amor é favorecida pela mistura de vermelho e branco – juntas ou misturadas, formando cor de rosa – e cores pastel. Bem como da disposição de pares de objetos.

A área da saúde encontra-se no centro da casa, e é um bom local para convívio e conversas animadas. Sendo associada à cor e à alegria do amarelo.

A área do conhecimento e espiritualidade remete para a introspeção, estudo e meditação. Bem como para as representações religiosas e a oração, potenciadas por roxos, alfazema, verde e azul. Se estava à procura de um recanto bom para ler, estudar ou estender o tapete de yoga, encontrou-o.

Nestas três áreas, o elemento terra pode encontrar várias maneiras de ser incorporado. As cores neutras associadas à terra, como o castanho e o ocre, são excelentes escolhas nestas áreas. Bem como os materiais naturais como o barro, a pedra, a ráfia e o vime. E tecidos como a seda e o algodão.

A forma mais harmoniosa é o quadrado. E os cristais dão uma camada extra de personalidade e intenção, uma vez que cada um tem a sua conotação. Aqui deve, no entanto, evitar as plantas e o elemento madeira, dentro do razoável. Visto que os móveis de madeira são também harmoniosos em termos de cor e da natureza do material. Pode acrescentar pormenores do elemento fogo, tais como uma vela acesa ou um incenso durante a sua meditação ou prática de yoga. Ou uma vela sobre a mesa na área da saúde ou num momento a dois na área correspondente ao amor.

Use estas referências para começar a explorar o Feng Shui e a harmonizar a sua casa, como um pequeno jogo.

É claro que não há absolutos e não precisa de transformar completamente a sua casa, agrupando todos os objetos por elemento, independentemente da sua harmonia ou utilidade. O equilíbrio e o bom senso são a chave. Aproveite o que já tem, e crie pequenos “oásis” de inspiração, espalhados por toda a casa. Que recordem das áreas da vida representadas.

Uma fotografia ou uma taça de fruta podem recordar-nos com gratidão do muito que temos. E das pessoas inspiradoras que nos ajudam a construir o nosso caminho. Pequenas “pistas” visuais em sua casa podem incentivar a combinar mais vezes com amigos e a explorar novos conhecimentos. Ou simplesmente a parar e contemplar a sua vida, com uma boa chávena de chá.

É curioso como estes pormenores podem levar a um aumento real da satisfação com a vida. Quer pelos marcadores visuais e de significado que se acrescentaram à casa, quer pela real transformação da energia do ambiente. Esse conceito abstrato e ao mesmo tempo tão familiar.

Se a ideia lhe parecer interessante, debruce-se sobre o tema e aprenda mais. Quanto mais se estuda Feng Shui, mais a sua complexidade intimida e fascina, na mesma medida.

Teresa Fernandes, Fisioterapeuta
Instrutora de Yoga Suspenso, Gyrotonic e Gyrokinesis (aplicação na perda de mobilidade, prevenção de problemas músculo-esqueléticos, pré e pós-parto)

PUB PUB