Amamentação em cadelas – o que preciso de saber?

A gravidez e amamentação de uma cadela é um processo natural e para o qual as cadelas estão fisicamente preparadas. No entanto, para que tudo corra pelo melhor, quer para a mãe, quer para os cachorros, é importante conhecer os cuidados a ter para um pós-parto seguro. E para que os cachorros cresçam todos saudáveis.

Leite materno vs leite de substituição

O leite da mãe é sempre a melhor opção para alimentar os cachorros nas primeiras 4 semanas de vida. É com ele que recebem todos os nutrientes que precisam, na dose certa, assim como reforçam o sistema imunitário e facilitam a digestão.

No entanto, nem sempre esta opção é possível ou suficiente. A mãe poderá não estar disponível, não estar em boas condições de saúde ou até a ninhada pode ser numerosa, comprometendo a alimentação adequada de todos os cachorros.
Nesse caso, pode ser considerado o leite de substituição. Tal como o leite de substituição para bebés humanos, este leite oferece a combinação certa para cães.

O leite de vaca, ou outros mamíferos, não é adequado para alimentar o cachorro. Deste modo, o cachorro não consegue digerir bem o leite de outros animais, podendo resultar em diversas reações gastrointestinais.

Cuidar da mãe para um aleitamento com sucesso

Alimentação

A alimentação é chave para que a cadela consiga ter a produção de leite suficiente para a ninhada. Assim, a má nutrição da mãe é o principal fator que influencia a não sobrevivência dos cachorros nos primeiros dias de vida.
Assegure que dá à mãe alimento nutritivo e calórico, para cães em crescimento, para que esta receba maior dose de nutrientes e calorias. Afinal, ela não está somente a ingerir alimento para si, mas para alimentar toda a ninhada. Além do alimento em si, a quantidade tem de ser aumentada. Veja com o veterinário a quantidade ideal.
Adicionalmente, tente escolher alimento com sabor irresistível, para que o incentivo seja maior. Muitas vezes as cadelas ficam anoréxicas no pós-parto, para cuidar dos seus bebés, e precisam de um incentivo extra para se alimentarem bem.
A água é também importante na produção de leite materno. Tenha sempre água limpa ao dispor, na zona onde a cadela se instalou com a sua ninhada.

Condição corporal

Uma boa forma de verificar o estado corporal da cadela é apalpando a zona das costelas. Se sentir que estão a ficar muito salientes, e visíveis, pode ser um sinal de perda de peso.

Estado de saúde

Nas primeiras semanas, após o parto, o risco da cadela ter alguma complicação de saúde é maior. Por isso, esteja atento a sinais visíveis de mal estar. Se desconfiar de algo, meça a temperatura e contacte o veterinário.

Como identificar algum problema

Os problemas mais comuns de saúde no pós-parto são a metrite, as mastites e a eclampsia.
Adicionalmente, uma questão importante é o número de cachorros na ninhada; se for superior ao número de mamilos, o aleitamento materno poderá não ser suficiente e algum cachorro poderá não conseguir mamar.

Metrite

Trata-se de uma inflamação e infeção na parede interior do útero. Pode acontecer na 1ª semana após o parto. Caso este tenha requerido assistência médica, o risco é maior.

Mastites

As mastites são inflamações nas mamas da cadela. Assim, é normal que fiquem inchadas, mas suaves. Se ficarem avermelhadas e estiverem rijas, pode ser sinal de inflamação.
A cadela pode não apresentar outros sinais, uma vez que o problema está localizado. No entanto, pode recusar-se a amamentar, o que só irá piorar o problema. Procure manter os cachorros a mamar, para que a inflamação se resolva naturalmente. Se tal não acontecer, terá de fazer uma visita ao veterinário.
Num caso mais grave, a mastite pode ser causada por uma bactéria. Neste caso, a visita ao veterinário é obrigatória, para a toma de antibiótico.

Eclampsia

Esta condição pode ocorrer se a cadela não está a conseguir compensar a perda de cálcio causada pela amamentação. Isto pode ocorrer nas primeiras 3 semanas do pós-parto.

Tenha atenção aos seguintes sinais:

  • nervosismo
  • falta de interesse ou agressividade para com os cachorros
  • andar dorido e rígido
  • espasmos musculares
  • febre
  • não conseguir estar de pé
  • convulsões

Conselhos da equipa do Centro Veterinário MyVet

PUB PUB